Independencia do Brasil

Nossa Senhora da Conceição Aparecida – Padroeira do Brasil

Possui a Basílica na cidade de Aparecida do Norte

Encontro da Imagem de AparecidaA história nos conta que nos idos de 1717, por ocasião da passagem pela região do governador da Capitania de São Paulo, Dom Pedro de Almeida – Conde de Assumar, e sua comitiva, foi solicitado aos pescadores que encontrassem nas águas do rio Paraíba do Sul a maior quantidade possível de peixes. Entre os pescadores estavam Domingos Martins Garcia, João Alves e Felipe Pedroso.

Lançaram suas redes várias vezes e não conseguiam pescar nada. Já estavam desanimados quando, de repente, na altura do Porto de Itaguaçu, percebem algo estranho na rede. Era o corpo de uma imagem feita de terracota. Em seguida, lançaram as redes novamente ao rio e acharam a cabeça que se encaixa direitinho no corpo da imagem. Após terem recolhido a imagem conseguiram grande quantidade de peixes e sentiram que o acontecido era um sinal dos céus. Os habitantes do lugar logo atribuíram o fato a um milagre da Virgem, que passaram a chamar Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Felipe Pedroso improvisou um altar em sua casa, no qual colocou a pequena imagem onde passaram a rezar o terço com toda a vizinhança. Em 1733, Felipe deu de presente a imagem a seu filho Atanásio Pedroso, que mandou construir um oratório. Logo depois, começaram a ocorrer prodígios extraordinários e a fama de Nossa Senhora Aparecida se espalhou. O número de peregrinos começou a aumentar de forma espetacular e a devoção se estendeu a todo o país.

O grito de independência 

O Brasil tornou-se independente sob a maternal proteção de Nossa Senhora Aparecida. D. Pedro, então Príncipe Regente, viajando do Rio de Janeiro para São Paulo, quis rezar diante da imagem da Aparecida. Prometeu-lhe consagrar o Brasil, caso resolvesse favoravelmente sua complicada situação política. Isto ocorreu no dia 22 de agosto de 1822. Quinze dias depois – a 7 de setembro, em São Paulo, na Colina do Ipiranga – nascia o Brasil independente, pelo brado histórico do Príncipe que se tornaria  o nosso primeiro Imperador com o nome de D. Pedro I.

conde_eu_princesa_isabel_filhos_1885

Princesa Isabel e Virgem Aparecida

 A festa da Aparecida no ano de 1868 – até então celebrada em 8 de dezembro, dia da Imaculada Conceição,– encerrou-se com brilho especial. Com efeito, a Princesa Isabel, herdeira do trono brasileiro, quis dela participar ao lado de seu marido, o Conde d’Eu, na esperança de obterem da Senhora Aparecida a graça de um herdeiro. Para manifestar sua devoção, a Princesa doou à venerada Imagem um manto riquíssimo, ornado com vinte e um brilhantes, representando as vinte Províncias do Império mais a Capital. Anos depois, em 1884, Dona Isabel voltava a Aparecida em reconhecimento pela graça recebida. Feliz, vinha acompanhada não só do esposo, mas dos três herdeiros, os Príncipes D. Pedro, D. Luís e D. Antonio. A piedosa Princesa quis novamente honrar a milagrosa imagem da Senhora Aparecida oferecendo-lhe dessa vez uma riquíssima coroa de ouro, cravejada de brilhantes. Essa mesma coroa serviu, vinte anos depois, para a solene coroação da Imagem, por ordem do Papa São Pio X.

Rainha e Padroeira do Brasil

Em 1903, os Bispos da Província Eclesiástica Meridional do Brasil, com vistas ao cinquentenário da proclamação do dogma da Imaculada Conceição, a transcorrer no ano seguinte, rogaram ao Santo Padre que mandasse coroar em seu nome a imagem de Nossa Senhora Aparecida.No dia 8 de setembro de 1904 reuniram-se em Aparecida oito Bispos e dois Abades, tendo à frente o Núncio Apostólico, D. Júlio Tonti, numerosos Sacerdotes e Freiras, autoridades civis e militares, além de uma grande multidão de fiéis procedentes dos mais recônditos rincões do território nacional. Após a Missa Solene celebrada pelo Núncio, o Bispo de Petrópolis, D. João B. Braga, proferiu vibrante sermão e leu a fórmula da Consagração do Brasil a Nossa Senhora Aparecida. O povo, de joelhos, ia repetindo. A seguir, o Bispo de São Paulo, D. José de Camargo Barros, cingiu a fronte da imagem com a coroa oferecida pela Princesa Isabel. Em 1930, atendendo ao sempre crescente aumento da devoção a Nossa Senhora Aparecida, e verificando as graças e favores insignes que Ela derramava sobre todo o País, o Papa Pio XI, a pedido dos Bispos brasileiros, a proclamou Padroeira do Brasil. Da capelinha improvisada, logo foi preciso outra maior, e depois outra, e hoje o Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida é a segunda maior igreja do mundo em área construída.

As graças e milagres continuam 

A história de Aparecida tem o milagre na sua origem. Pinturas nas paredes da nave central da Basílica Velha representam de forma expressiva alguns dos primeiros milagres que se tomaram famosos. Essas graças e prodígios, entretanto, não cessaram com o correr do tempo. Maria Santíssima, de seu trono em Aparecida, continua ainda hoje a derramar sobre seus fiéis devotos chuvas de graças e bênçãos e a operar verdadeiros milagres.

 

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.