O SIM de Maria!

“Deus reuniu todas as águas e chamou-as mar; reuniu todas as graças e chamou-as Maria”, escreve poeticamente São Luís Maria Grignion de Montfort.

Maria é o maior exemplo de fé e obediência para católicos que desejam professar a fé em Jesus Cristo. Durante toda a sua vida ela viveu de acordo com os mandamentos de Deus, a tal ponto que a escolheu entre todas as mulheres, como a Mãe de seu filho Jesus Cristo.

“Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe” (Mateus 12, 50).

A bem-aventurança de Maria Santíssima é tamanha, que ela, mesmo diante do mistério do amor de Deus, escolheu confiar nos planos do Altíssimo e seguiu com perseverança no caminho traçado pelo Pai.

Se pudermos definir a vida de Nossa Senhora em poucas palavras será: a mulher que aceitou e cumpriu inteiramente a vontade de Deus. Para nós, que somos falhos e pecadores, o exemplo de Maria é único e deve ser contemplado como modelo de santidade a ser alcançado por todos.

Maria se entregou a Deus sem reservas e confiou no projeto divino de tal modo, que nos deu o grande presente de trazer ao mundo nosso grande Redentor. Cristo é sim nosso grande Salvador, porém foi pelo amor e cuidado de Maria que ele pode nascer e ser criado enquanto esteve em sua condição humana.

O SIM DE MARIA E A MULHER DE HOJE

Vivemos um tempo histórico em que a mulher começa a ser reconhecida para além da mãe e dona de casa. Mulheres ocupam postos de trabalho, cargos de governo, tornam-se referências culturais. Essa transformação, percebida desde as Guerras Mundiais do século passado, quando as mulheres tiveram que sair de casa para ocupar os espaços vazios deixados pelos homens que seguiram para o combate, é irrevogável. Hoje, mulheres são muito mais que mães; tornaram-se verdadeiras chefes de família, verdadeiras máquinas de trabalho, verdadeiras pensadoras.

Após um período de intensa luta pela igualdade de gênero, a mulher parece, enfim, descobrir-se mulher: com sua complexidade, com suas características físicas, afetivas e emocionais próprias e com sua capacidade de ler o mundo de uma forma bastante diferente que a do homem – uma leitura que inclui a poesia, que inclui a entrelinha, que inclui o que não é dito expressamente, mas que está nos olhos e nas atitudes do outro.

O que Maria tem, então, a dizer a essa nova mulher? Teria sido Maria uma mulher à frente de seu tempo e, portanto, capaz de se tornar uma referência hoje para a mulher moderna?

Provavelmente Maria não foi ninguém à frente de seu tempo. Foi somente mulher. Mulher que com sua sensibilidade foi capaz de perceber naquele ser que lhe interpelou certo dia em Nazaré, um enviado de Deus. Mulher cuja fé acreditava que esse mesmo Deus era capaz de fazer maravilhas – e por que não o seria capaz de realizá-las nela própria? Mulher cuja pertença a seu mundo sabia das consequências de seu “sim” – poderia por ele ser levada à morte. Mulher que com coragem confessou-se grávida ao noivo, seguiu com ele – já esposo – para a terra estranha, criou o filho já viúva, seguiu os passos do Filho em sua Missão e, finalmente, seguiu-O – contorcida em dores, mas com firmeza – até à cruz. Mulher sábia que conhecia seu Deus e que sabia que Ele não a desampararia.

Esses são os pontos que Maria assinala para a mulher de hoje. Mulheres sensíveis que percebem a poesia do mundo e a contam aos homens e às crianças. Mulheres crentes que constroem maravilhas do nada. Mulheres atuantes que lutam pela melhoria da vida de sua família, de seu ambiente de trabalho, de sua cidade. Mulheres corajosas que enfrentam violência, que enfrentam novos caminhos, que enfrentam doenças, que enfrentam as situações mais adversas, com a certeza de que cabe a elas a construção de um novo mundo. Mulheres que, por fim, se sabem mulheres, criaturas abençoadas por Deus com a graça da maternidade, com a possibilidade de geração da vida desde seus corpos até seus atos.

A essas mulheres, o sim de Maria é bastante íntimo: ainda que não o percebam, dizem-no todos os dias quando saem para o trabalho, quando cuidam de suas famílias, quando reclamam da injustiça, quando mostram – mesmo sem o saber – que a vida tem um sentido. As mulheres de hoje podem cantar como outrora Maria cantou: minha alma engrandece ao Senhor. Sim, porque sua existência mostra ao mundo uma outra face de Deus: um Deus atuante, compassivo, trabalhador; um Deus atento à humanidade, um Deus cuidador, um Deus provedor.

vida de Maria é, portanto um modelo a ser seguido por todos  os cristãos.

COMO DIZER SIM!

Quando colocamos os desejos na mão de Deus e pedimos que Ele nos conduza pelo melhor caminho, é possível alcançar grandes bênçãos e multiplicar a verdadeira alegria que vem do céu.  O exemplo de Maria nos ensina a obedecer e confiar, com humildade e devoção em todos os momentos da sua vida.

Deus conhece o nosso coração e respeita nossa capacidade de escolha, por meio do livre arbítrio, por isso somos nós quem devemos buscar sempre seguir o exemplo de fé e humildade de Maria e agir de acordo com a vontade do Senhor.

Precisamos abrir mão do orgulho e entender que somente o Pai sabe o que é melhor para as nossas vidas.

Oremos para que Maria Santíssima interceda por nós hoje e sempre. Amém!

 

Fonte

Amaivos

Maria, um grande exemplo de amor, fé e caridade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.